Política & Murupi – Leo Ladeia

0
129
Leo Ladeia

PORTO VELHO – Quem não aprende com a história repete o erro. Ontem, o grande xerife do mundo viu a repetição da saída atabalhoada de Saigon no Vietnã em 1975. Naquela época, o poderoso exército americano saiu desmoralizado daquele pequeno país mas a repulsa do povo americano já havia sido cantada dentro dos Estados Unidos em 1969 no Festival de Woodstock e nomes da contracultura como Jimi Hendrix, Mohammed Ali, Bob Dylan e Martin Luther king, se tornaram a cara e a voz da revolta do povo contra a guerra no outro lado do mundo, mas os Estados Unidos continuam com a política de armar um contra o outro e criando os monstros como Osama Bin Laden que depois eliminam. De novo o xerife e seu exército vão deixar uma terra arrasada e os seus aliados locais entregues à própria sorte, nas mãos do Talibã que retomou em poucos dias o poder no Afeganistão. A história revelava antes o erro previsível.

Aqui na “terra brazilis”, as refregas entre os três poderes nunca harmônicos pois são dependentes, chegaram ao nível do absurdo. São mais de 100 pedidos de impeachment contra Bolsonaro na câmara e 17 no senado contra Ministros do Supremo, sem contar os pedidos do cantor Sérgio Reis que por não ter coração de papel quer o pescoço dos onze e o do Bolsonaro que sonha atravessar a praça montado num “fumacê” da Marinha e entregar mais um pedido contra os seus dois desafetos Alexandre Moraes e Barroso do stf. São tempos estranhos em que vaca não reconhece bezerro, mas, antes do ponto parágrafo um aviso aos navegantes: a possibilidade de prosperar qualquer um pedido de impeachment contra quaisquer pessoas destas aí, é zero.

Sabemos que no “Sanatório Brasil” existem vários tipos de doidos. Nos extremos estão o Capitão Jair que pôs fogo no próprio roçado e não encontra a saída e o Luiz Inácio que foi ao nordeste juntar galho seco e gasolina para aumentar o fogaréu na roça do capitão. Mas existem aqueles que tomaram o remedinho milagroso como Rodrigo Pacheco, Presidente do Senado que tenta o salto com vara de olho numa vaga como terceira via à Presidência e Artur Lira, mais imexível que o finado Ministro Magri, por conta de uma espada suspensa e apontada para sua cabeça lá no STF. São doidos ajuizados e doido que não rasga dinheiro, convenhamos, não é doido.

No STF a coisa está rachada. Depois de incendiar o plenário o sempre político Gilmar tirou o time de campo e só aparece para dar pitaco. É que para levantar as paredes e bater a laje que é o serviço mais pesado na construção do puxadinho bastam dois ministros de capa e espada, bem ao estilo Zorro ou Errol Flynn: um para queimar a biografia e rasgar seus livros e o outro para reafirmar a sua auto divergência e queimar seu passado.  Mas estão todos na mesma nau e não me refiro àquela aventada por Bob Jefferson que aliás continua preso, como preso está o deputado Silveira, ambos sem o devido processo formal antes de cumprirem penas. E a OAB rindo dos dois. E provavelmente também de nós, of course.

Quem viveu o Brasil dos anos 60 sabe que a maior diferença para o momento atual é a inapetência dos militares para o golpe. Depois de tantos anos eles descobriram que para ter o poder basta ter voto. É mais fácil. Então a probabilidade de um golpe estilo “república de bananas” ou algo no estilo Talibã, é zero.

Quem não aprende com a história repete o erro. O resto é fumaça de queimadas, de maconha ou dos tanques desregulados da Marinha lá em Formosa.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here