Fogo está destruindo parte da reserva dos Uru-Eu-Wau-Wau, na divisa de Campo Novo com Jorge Teixeira

PORTO VELHO – Além dos sistemático e histórico roubo de madeira, a parte da reserva dos índios Uru-Eu-Wau-Wau na área de tríplice divisa entre os municípios de Campo Novo, Buritis e Jorge Teixeira. Também vem aumentando exponencialmente o desmatamento no entorna da reserva.

Enquanto isso, a população das áreas urbanas de Rondônia – sobretudo os idosos e as crianças – sofrem as consequências da densa fumaça das queimadas, em muitas região do Estado a natureza arde em chamas. E os incendiários aproveitam para roubar madeiras e grilar terras públicas, que as vende em seguida. “Numa região de tríplice divisa abrangendo os municípios de Campo Novo, Buritis e Jorge Teixeira, com uma área de mais de 12 mil hectares, onde existe uma reserva dos índios Uru-Eu-Wau-Wau, pequenas, médias e algumas propriedades maiores”, os invasores estão destruindo tudo. E o Governo – nem estadual nem federal – nada faz, apesar das fartas denúncias”, avisa o ex-senador Ernandes Amorim.

Na manhã deste sábado, o ex-senador usou suas redes sociais para denunciar e pedir providências das autoridades competentes referentes a crimes ambientais registrados na região de Campo Novo de Rondônia.

O ex-senador afirma não entender porque as providências não estão sendo devidamente tomadas, partindo do princípio de que a polícia militar recentemente esteve no local, onde mapeou as áreas devastadas com aeronaves. Os relatos postados por Amorim nas redes sociais, já foram devidamente protocolados na justiça federal, governo e policias do estado e juntamente com o exército brasileiro, no âmbito responsável por cuidar da preservação da Amazônia.

Acompanhe na integra o relato do ex-senador:

Amorim pede que as autoridades se manifestem a respeito do crime, porque toda a região está sendo tomada pelo fogo incessante, que vem destruindo tudo.

O ex-senador realce ainda o descaso das autoridades para o que vem acontecendo. Esses mesmos relatos já foram repassados em diversas as formas para os diversos poderes, sendo justiça federal, Ibama e Batalhão Ambiental.

“São criminosos que estão agindo de forma articulada nessa região. Alguma coisa precisa ser feita urgente. Eu vi a polícia agindo de forma mais contundente, eficaz em outras regiões invadidas. Essa mesma ação, seja pelo Bope, ou por outras companhias de segurança pública, precisam chegar a Campo Novo”, finalizou.

Com informações da Assessoria

Related Posts

Comments

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Stay Connected

0FansLike
2,985FollowersFollow
0SubscribersSubscribe
spot_img

Recent Stories